Luís Tinoco

Compositor

[PT Original] Luís Tinoco [n.1969, Lisboa] formou-se em composição na Escola Superior de Música de Lisboa. Mais tarde, no Reino Unido, fez um Mestrado em Composição na Royal Academy of Music, em Londres, e doutorou-se pela Universidade de York. Combina a sua actividade de compositor com o ensino, exercendo funções docentes na Escola Superior de Música de Lisboa.

Enquanto programador e divulgador musical, destaca-se a sua colaboração com a Antena 2 da RTP como autor e produtor de programas radiofónicos e como director artístico do Prémio e Festival Jovens Músicos.

O seu catálogo inclui obras vocais e música de cena como “Search Songs” (2007) – para soprano e orquestra, com textos de Alexander Search; “From the Depth of Distance” (2008) – para soprano e orquestra, com textos de Walt Whitman e Álvaro de Campos; “Evil Machines” (2008) – uma fantasia musical com libreto e encenação do Monty Python Terry Jones; “Paint Me” (2010) – uma ópera de câmara com libreto de Stephen Plaice e encenação de Rui Horta; “Passeios do Sonhador Solitário” (2011) – uma cantata com libreto de Almeida Faria; “Lídia” (2014) – um bailado com coreografia de Paulo Ribeiro, encomendado pela Companhia Nacional de Bailado (CNB); e “Canções de Trabalho” (2022) – para voz e orquestra, escrita para a cantora brasileira Lívia Nestrovski.

Trabalhos orquestrais incluem “Cercle Intérieur” (2012) – estreada pela Orquestra Filarmónica da Radio France na Cité de La Musique em Paris; “Concerto para Trompa” (2013) – estreado por Abel Pereira no 45th International Horn Symposium (Memphis, EUA); “FrisLand” (2014) – estreada pela Orquestra Sinfónica de Seattle no Benaroya Hall da cidade de Seattle; “Incipit” (2015), para orquestra sinfónica – composta para celebrar os 450 anos da fundação da cidade do Rio de Janeiro e estreada pela Orquestra Sinfónica Brasileira no Theatro Municipal do Rio de Janeiro; “O Sotaque Azul das Águas” (2015), co-encomendada pela Orquestra Gulbenkian e pela Orquestra Sinfónica Estadual de São Paulo (OSESP); “Concerto para Violoncelo e Orquestra”, estreado por Filipe Quaresma e a Orquestra Sinfónica Portuguesa; “Entre Silêncios – Concerto para Clarinete e Orquestra”, estreado por Horácio Ferreira e a Orquestra Gulbenkian; e “Kokyuu – Concerto para Saxofone e Orquestra”, estreado por João Pedro Silva e a Orquestra Metropolitana de Lisboa..

De 2016 a 2018 desempenhou o cargo de Compositor Residente no Teatro Nacional de S. Carlos e, na temporada de 2017, foi Artista Associado da Casa da Música.

A música de Tinoco é publicada pela University of York Music Press e está disponível em CDs comerciais gravados pela Orquestra Gulbenkian (Naxos 2013) e pelo Ensemble Lontano (Lorelt 2005). Em 2018, a Odradek Records, editou o CD “The Blue Voice of the Water”, com primeiras gravações de obras orquestrais nas interpretações da Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Casa da Música, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Seattle Symphony. Em 2019, a mesma editora lançou o CD monográfico “Archipelago” com o Drumming GP (direcção artística de Miquel Bernat), considerado o Melhor Álbum de Música Clássica / Erudita nos Prémios Play 2020. Em 2022, Tinoco lançou “Alepo e outros silêncios”, (ed. Artway Next, em CD e Vinil), exclusivamente dedicado a obras de câmara escritas entre 1998 e 2021.Desde 2016 detém o título de Associate of the Royal Academy of Music (ARAM) e em 2019 foi premiado com o DSCH – Shostakovich Ensemble 2019 Prize for Composers