Steve Reich Highlights

Drumming & Steve Reich, Paso e repasso pelas peças referencia do autor em diferentes períodos do seu percurso, sempre combinando a percussão, o instrumento do próprio Reich,  e os pianos. Estes programas tem como núcleo central a peça Sextet (1984) encomenda do centro Georges Pompidou de París e da Laura Dean Dancers,  numa aproximação mas também afrmação contrastante as linhas de criação europeias dos anos 70/80, explorando a ambiguidade perceptiva como  elemento fundamental a partir duma métrica que forma grupos rítmicos de 3 (com 4 batimentos) em contraposição a grupos rítmicos de 4 (com 3  batimentos) somando sempre 12 e criando assim uma mudança de percepção dependendo de como utiliza os grupos rítmicos sem mudar basicamente  nada na essência da composição. Dance Patterns (2002) está também pensada coreografcamente e foi uma encomenda do Ictus Ensemble para um video  de Thierry de Mey e Anne Teresa de Keersmaeker. O diretor artistico do Drumming estreou esta peça em Bruxellas no Palais des Beaux Arts seguido duma  digressão pela Europa. 

A Liturgia dos Pássaros

Daniel Bernardes toma contacto com a música de Olivier Messiaen na adolescência, ainda em contexto formativo, desenvolvendo desde logo um fascínio imediato pela “Sinfonia Turangalîla”. Embora Messiaen nunca tenha trabalhado ou demonstrado particular interesse pelo mundo do jazz, era famoso pelas suas improvisações nomeadamente por ocasião das missas na Igreja da Santa Trindade em Paris onde, ao órgão, improvisava de acordo com os diferentes momentos da cerimónia. Este aspecto, aparentemente irrelevante, é importante para percebermos uma certa proximidade, sobretudo harmónica, com os paradigmas do jazz tradicional. O jazz tira partido dos antigos modos Gregos e Messiaen, seguindo o mesmo paradigma, cria o seu universo harmónico através da construção dos seus próprios modos.

Esta proximidade de natureza faz com que a linguagem harmónica de Messiaen se torne um caminho possível para o jazz contemporâneo, podendo os modos de Messiaen servirem de complemento aos recursos harmónicos proporcionados pelos modos gregos. Foi por esta razão que Daniel Bernardes, tendo durante anos estudado a linguagem do jazz, se lançou a explorar as possibilidades do sistema harmónico de Messiaen. Esboçando nova música e com crescente entusiasmo, rapidamente surgiu a ideia de juntar um trio de piano jazz a um ensemble de percussão.

Com este propósito dirige o convite ao Drumming Grupo de Percussão, o mais importante ensemble de percussão do panorama musical português, convite este prontamente aceite pelo seu Director Artístico, Miquel Bernat. A completar o trio jazz o baterista Mário Costa, um dos mais requisitados bateristas portugueses com colaborações com nomes como Wynton Marsalis, Joachim Kuhn, Hugo Carvalhais assim como a famosa fadista Ana Moura. No contrabaixo lugar a António Augusto Aguiar, contrabaixista de referência do meio do jazz com inúmeras colaborações com as principais figuras do jazz nacional, mas também música contemporânea, nomeadamente o Remix Ensemble onde é o contrabaixista titular.  

Neste projecto, Bernardes lança-se ao desafio de escrever música segundo as técnicas e estética de Messiaen que depois mistura com o seu jazz contemporâneo, uma experiência inédita e onde presta homenagem ao mestre Francês.